segunda-feira, 2 de março de 2015

Homeopatia simples e sua aplicação na agricultura

HOMEOPATIA SIMPLES E SUA APLICAÇÃO NA AGRICULTURA.

O objeto de estudo deste texto será o uso da homeopatia simples e sua aplicação na agricultura das famílias. Analisaremos sua origem, aplicação, e potencialidade; tendo como embasamento para elaboração do trabalho, artigos relacionados ao assunto.
A Homeopatia foi criada pelo médico alemão Samuel Christian Frederick Hahnemann, quando ele observou que o semelhante pode curar o semelhante, observou isso quando ele tomou a substancia chamado Quina, que vem do Quinino, substancia usada para tratamento da malária, tomando a substancia quina durante vários dias, começou a ter os sintomas da malária, podendo então relatar a sua tese. Samuel observou também, que a homeopatia poderia ser usada na agricultura, tendo como base da substancia o próprio individuo, com estudos avançados, descobriu posteriormente que quanto mais se dilui a substancia mãe, o resultado final fica mais eficiente, principalmente na agricultura. Com essas pesquisas, ele denomina as leis do “Semelhante cura Semelhante”, do “Medicamento único homeopático” e da diluição “Dose mínima“.
Com o aumento do aquecimento global, desmatamento, poluição e outras mazelas socioambientais, uma maior atenção em relação a ecologia foi despertada, incentivos foram criados, e as politicas públicas envolvem o sustentável com o civil. A agricultura, grande fonte de renda para o país foi atingida diretamente. O uso de fertilizantes indevidamente ocasionavam sérios danos ao meio ambiente, seja no uso do solo, nos frutos e mananciais; observando esse problema que estava se agravando, a criação de alternativas que obtinham resultados satisfatórios e não agrediam o ambiente foram analisadas com os olhos comerciais, a homeopatia se encaixou nesse aspecto rapidamente. Segundo Lester Brown (apud Capra, 1997 p. 24): “Uma sociedade sustentável é aquela que satisfaz suas necessidades sem diminuir as perspectivas das gerações futuras”, as concepções estão em transição, de, socioeconômico para socioambiental, porém, essas mudanças não são rapidamente, exige uma parcela de tempo significada, além de grandes parcelas sociais de mobilização, Kuhn aborda esse assunto:

“Estas mudanças ocorrem num processo de transição e de maneira gradual pela contribuição de cientistas, filósofos, profissionais de diversas áreas, sociólogos, artistas cujos valores, idéias e inserção/atuação no mundo é realizada de maneira diferenciada, ou melhor, cuja visão de mundo já não pertence ao paradigma atual.” Kuhn (apud Capra, 1997 p.24-25)

Como analisado anteriormente, que a mudança para uma sociedade sustentável é discreta e emergente, que a homeopatia tem um resultado satisfatório na agricultura e que, a agricultura, necessita de alternativas para a solução do uso de fertilizantes químicos, não só esta, mas todo o sistema de produção agrícola (sistema ecológico, sistema biológico, agricultura biodinâmica e agricultura orgânica), adubos orgânicos, minerais, técnicas de irrigação, entre alternativas junto com o nosso objeto de estudo, a homeopatia são as formas de conservação harmônica da produção agrícola do homem versus natureza, a modo que haja a conciliação das necessidades econômicas, sociais e ambientais, a comunidade/cidade sustentável.

Homeopatia


A aplicação da homeopatia na agricultura vem do próprio agente causador do problema, em termos técnicos é denominado nosódio ou bioterrápico, com resultados excelentes, os nosódios de pragas são de formiga, besouros, lagartas e percevejos, há também nosódios de fungos, sendo aplicados diretamente na planta, estes diluídos. A formação da substancia de aplicação vem do ato de dinamização; esta denominação vem da junção do ato de triturar e diluir e sucussionar a substancia homeopática, Samuel Hahnemann cita que, o ato de dinamizar, ascende as informações/poderes do material, que antes estava adormecido ou despercebido. Através da tintura mãe, que é a substancia coletada e triturada, pode-se iniciar o processo homeopático na agricultura: A diluição no álcool e o ato de sucussionar (agitar 100 vezes o vidro de diluição).  As técnicas homeopáticas na agricultura são usadas desde a proteção da planta contra vetores, desintoxicação, amenizar o estresse da planta, revitalização entre outros; no solo, a homeopatia serve para desintoxicação do solo e adubo, preparação para plantio. Em outros âmbitos, curam e tratam doenças, picadas de insetos, vermes, etc.

A introdução das técnicas orgânicas na agricultura não é algo novo, sendo observados indícios das técnicas no conhecimento dos índios e dos sertanejos. Porém, um novo olhar, o olhar acadêmico fora criado nesse âmbito, criando novas entalpias, novos tratamentos, modelos de plantações sustentáveis, assim, dando o devido valor ao poder da natureza, gigante e silencioso este. A aplicação da agroecologia no Semiárido nordestino, por exemplo, junto a modelos desenvolvidos por entidades não governamentais e universidades e somado com a homeopatia, captação de agua de chuva e outras alternativas, transmitem a esperança de convivência numa região dita como insalubre, seja na distribuição de chuvas/ano como na qualidade do solo, de fácil desenvolvimento, criação e aplicação (homeopatia), mudam o aspecto de futuro dos sertanejos, dando-lhes uma melhor qualidade de vida.



 **Escrito por Jadson Freire, estudante de Saneamento Ambiental em 2013
Referencias Bibliográficas:


ANDRADE, F. M. C. A homeopatia e as plantas medicinais. In II Seminário Brasileiro sobre Homeopatia na Agropecuária Orgânica. Pinhal –SP. p. 37-51, 2001.

BONATO, C. M. Mecanismos de atuação da Homeopatia na agricultura In: I Encontro Brasileiro de Homeopatia na Agricultura. 2009, Toledo, Campo Grande – MS. Universidade Estadual de Maringá- UEM. P.01-04

CAPRA, F. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. Trad. Newton Roberval Eichemberg. São Paulo: Cultrix, 1997. 256 p.


Grupo de Estudos de Homeopatia na Agricultura Alternativa –UEM. Homeopatia, saúde para o homem, os animais, plantas e solo. CAPA – Centro de Apoio ao Pequeno Agricultor Maringá – PR - 2004

0 comentários:

Postar um comentário