quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Lixo Eletrônico

Lixo eletrônico:

Há mais de dez anos tem crescido enormemente o uso de dispositivos eletrônicos portáteis, como computadores, telefones celulares e tocadores de música (primeiramente CD e, depois, arquivos digitais). Um dos resultados, que a princípio não parecia preocupante, é o acúmulo do lixo eletrônico, que ocorre com a rápida obsolescência desses equipamentos. Com a aceleração da produção e do consumo de eletrônicos, o volume desse tipo de descarte cresce exponencialmente, deixando o planeta sem espaço para armazenamento e ainda menos capacidade de reciclagem. Segundo as pesquisas, o Brasil é o maior produtor de lixo eletrônico dos países emergentes, essa situação é muito grave, pois o lixo eletrônico contém grande riqueza de materiais pesados que possam contaminar o solo e a água.

Um computador mediano é feito de elementos básicos, conhecidos de todos, como plásticos e metais, mas também de componentes extremamente danosos à saúde, como chumbo, cádmio, belírio, mercúrio, plástico, ouro, prata, platina entre outros materiais prejudiciais a saúde humana. Outros componentes como o mercúrio, muito utilizado em computadores, monitores e TVs de tela plana, podem causar danos cerebrais e ao fígado. Já o chumbo, o componente mais usado em computadores, além de televisores e celulares pode causar náuseas, perda de coordenação e memória. Em casos mais graves, pode levar ao coma e, conseqüentemente, à morte.

Cenário do lixo eletrônico atual


Conseqüência do deposito do lixo eletrônico inadequado:

O lixo eletrônico quando depositado inadequadamente, causa uma série de riscos ao ambiente, já que o mesmo possui uma grande riqueza de materiais pesados. Quando o mercúrio permanece no solo, se mantém em sua forma inorgânica menos tóxica, mas quando chega aos rios, pelo ar e pela água da chuva ou inundações, entra na cadeia alimentar dos peixes e se transforma em metilmercúrio, cujo excesso no ser humano provoca principalmente problemas neurológicos.

Cádmio - É um agente cancerígeno. Acumula-se nos rins, no fígado e nos ossos, o que pode causar osteoporose, irritação nos pulmões, distúrbios neurológicos e redução imunológica
Zinco - Produz secura na garganta, tosse, fraqueza, dor generalizada, arrepios, febre, náusea e vômito
Níquel - Causa irritação nos pulmões, bronquite crônica, reações alérgicas, ataques asmáticos e problema no fígado e no sangue

Além do perigo que os materiais representam a sua vida útil quando é despejada é de vários anos, agravando o problema.

Como solucionar o Problema do lixo eletrônico?

Apesar dos problemas, algumas soluções já despontam. Empresas especializadas em montagem de computadores estão reaproveitando peças antigas para montar computadores e revender para setores que não necessitam de grande poder de processamento para atuar. Alguns fabricantes de celular recolhem os celulares “velhos” e são encaminhados para a reciclagem. Algumas indústrias já trabalham com a reciclagem dos materiais pesados (ouro, prata, platina) dos computadores e derivados, sabendo o valor econômico dos mesmos materiais.

Para os consumidores amenizarem o problema, é necessário que não se renda ao apelo do mercado: Trocar de celular ou de computador todo ano, não faz o menor sentido se ele estiver funcionando e servindo às suas necessidades, Utilize como critério de compra, além do preço, a responsabilidade que a empresa assume com o meio ambiente, Estenda a vida útil de seus equipamentos troque as peças quando elas quebrarem ou estiverem desgastadas ao invés de comprar outro aparelho. Pequenas atitudes fazem toda a diferença.

 Conclusões Finais.

O lixo eletrônico não é um problema que devemos deixar esquecido, pelo contrário, é preciso uma atenção especial, pois o lixo eletrônico é ainda mais poluente devido à inúmera quantidade de elementos altamente nocivos quando lançados indiscriminadamente na natureza. Estes poluentes estão presentes especialmente nas baterias e capacitores, dispositivos que armazenam energia.

            Além de conscientizar a população sobre esse problema, a atitude final a ser adotada seria incentivar as empresas que fabricam produtos com menor impacto serem contempladas na hora da compra, ou aquelas que se comprometem em recolher o equipamento antigo. Assim, em conjunto com a população consumidora, o problema do despejo do lixo eletrônico inadequado e, consequentemente, da poluição que ele faz, entraria em um controle, onde todos ganham com isso.

**Escrito por Jadson Freire, estudante de Saneamento em 2011
Referencias Bibliográficas:

INOVAÇÕES TECNOLOGICAS, O outro lado da tecnologia. Disponível em: <http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=lixo-eletronico-outro-lado-era-tecnologia&id=010125091030>. Acesso em 28/11/2011

MUNDO VERDE. O que é lixo eletrônico? Disponível em: <http://mundoverde.com.br/blog/2010/08/20/voce-sabe-o-que-e-lixo-eletronico/>Acesso em 28/11/2011

TECMUNDO. Lixo eletrônico, O que fazer? Disponível em: <http://www.tecmundo.com.br/2570-lixo-eletronico-o-que-fazer-apos-o-termino-da-vida-util-dos-seus-aparelhos-.htm>Acesso em 28/11/2011

0 comentários:

Postar um comentário